20070710

Regresso Eterno

Montanha amarela - Timor



Altos silêncios da noite e os olhos perdidos,


Submersos na escuridão das árvores


Como na alma o rumor de um regato,


Insistente e melódico,


Serpeando entre pedras o fulgor de uma idéia,


Quase emoção;


E folhas que caem e distraem


O sentido interior


Na natureza calma e definida


Pela vivência dum corpo em cuja essência


A terra inteira vibra


E a noite de estrelas premedita.






A noite! Se fosse noite...


Mas os meus passos soam e não param,


Mesmo parados pelo pensamento,


Pelo terror que não acaba e perverte os sentidos


A esquina do acaso;


Outros mundos se somem,


Outros no ar luzes refletem sem origem.


É por eles que os meus passos não param.


E é por eles que o mistério se incendeia.




Tudo é tangível, luminoso e vago


Na orla que se afasta e a ilha dobra


Em balas de precário sonho...


Tudo é possível porque à vida dura


E a noite se desfaz


Em altos silêncios puros.


Mas nada impede o renascer da imagem,


A infância perdida,reavida,


Nuns olhos vagabundos debruçados,


Junto a um regato que sem cessar murmura.




Ruy Cinatti
Imagem (C) www.urbi.ubi.org

4 comentários:

papagueno disse...

Bonito, há muito que não lia nada do rui Cinatti.
Jinhos

avelaneiraflorida disse...

Ando precisamente a descobri-lo...e a encantar-me!!!!

Méon disse...

Este vai para a fila...
das páginas do dito cujo.
Há uma antologia do Peter Stilwel ( padre, que conheci em tempos e por quem tenho consideração) sobre Ruy Cinatti, que já tive e já perdi de vista. Vou tentar encontrá-la...
Tu é que és a culpada...

avelaneiraflorida disse...

EU, MOI, JE???????????

Quem escreveu estas coisas lindas foi o CINATTI...