20070713

O NOME


Por uma manhã além do nunca

passaram as corças rente ao mar

para ouvir a voz de Deus. Sabiam

não mais que a dor de não saber

a origem da luz, a origem do pó, a origem do fogo.

Depois das corças , depois da vertigem,

vieram as pombas, os chacais e o vento do deserto

e com eles a queixa solar dos laranjais.

E chegou o sul. E chegou o sempre.

E sempre que chegava alguma coisa, alguma luz,

acontecia um tempo e outro tempo

no tempo que houve a haver. E houve vento.

E o vento empurou o que há-de vir

cobrindo-o de espera e de esperança.

E foi-se o vento. E ficou o sempre
para sempre. E o sopro. E a semente.

E o som que vem sem fúria. Docemente.

O nome incandescente da ternura.

O nome. Simplesmente.


Joaquim Pessoa, Nomes
Imagem (C) DOUGALL

6 comentários:

Ema Pires disse...

"O Nome incandescente da ternura"! Lindo, lindo. Gostei mesmo.
Kiss para ti

avelaneiraflorida disse...

Joaquim Pessoa!!!!!

UM AMIGO ...lembrou-mo, agora vão ter de me ATURAR!!!!!!!

Bjkitas tbém!

Professorinha disse...

Adorei. Olha que não conhecia... Gostei das corças!

Lembrou-me a floresta...

Beijinhos

avelaneiraflorida disse...

E a Criação da Natureza...

Méon disse...

E pronto: aqui estamos a partilhar!
Que bonito, Avelã! Teu nome, simplesmente!

avelaneiraflorida disse...

Méon...

Olha que Joaquim Pessoa tem...

NOMES!!!!!!!!