20070712

Coração Habitado


Aqui estão as mãos.

São os mais belos sinais da terra.

Os anjos nascem aqui:

frescos, matinais, quase de orvalho,

de coração alegre e povoado.


Ponho nelas a minha boca,

respiro o sangue, o seu rumor branco,

aqueço-as por dentro, abandonadas

nas minhas, as pequenas mãos do mundo.


Alguns pensam que são as mãos de deus,

- eu sei que são as mãos de um homem,

trémulas barcaças onde a água,

a tristeza e as quatro estações

penetram, indiferentemente.


Não lhes toquem: são amor e bondade.

Mais ainda: cheiram a madressilva.

São o primeiro homem, a primeira mulher.

E amanhece.


Eugénio de Andrade, Coração do Dia
Imagem(C) Daniel Buetti 2002

4 comentários:

papagueno disse...

S�o as m�os a sentir o cora�o.
� um poema muito belo do nosso grande Eug�nio.
Beijinhos

avelaneiraflorida disse...

Por isso a sabedoria popular, antiga, experiente, sofredora, cristalizou o célebre:

"TER O CORAÇÂO NAS MÂOS!"...

Bjks

Méon disse...

A imagem... as palavras...

Sabemos que o coração incha e desincha...mas teimamos em dizer que ele "bate". Porque será?

Eugénio sabe! E quem o lê e ama, compreende!

Olá, Avelã!!

avelaneiraflorida disse...

Olá, Méon!!!!!


Eugénio vive as palavras como quem vive com o sentir...

É tão simples...que ,às vezes,nem nos apercebemos...