20070817

XXXIX


Entrei no Café com um rio na algibeira

e pu-lo no chão,

a vê-lo correr

da imaginação...


A seguir, tirei do bolso do colete

nuvens e estrelas

e estendi um tapete

de flores

- a concebê-las.


Depois, encostado à mesa

tirei da boca um pássaro a cantar

e enfeitei com ele a Natureza

das árvores em torno

a cheirarem ao luar

que eu imagino.


E agora aqui estou a ouvir

a melodia sem contorno

deste acaso de existir

- onde só procuro a Beleza

para me iludir

dum destino.


José Gomes Ferreira,
in Café, Poesia III
Imagem(C) Sergei Chepik

17 comentários:

Sophiamar disse...

Um bonito poema de José Gomes Ferreira. "Entrei ...com um rio na algibeira..."...só os poetas falam assim. E como é bom decifrar esta linguagem rica em metáforas.
Beijinhos

avelaneiraflorida disse...

Sophiamar,

a verdade é que, às vezes, entramos "num café com um rio na algibeira" e... e dele saímos envolyos em azul de paz...
Bjks

isabel disse...

bonitas as imagens.

gosto muito do poema dele sobre a morte. adoro!

beijos

Mário Margaride disse...

Belíssimo! Este poema, de José Gomes Ferreira.

Muitas melodias ouvimos, sem contornos.
Nesta aventura que é existir. Sem podermos adivinhar, qual a beleza, que o destino nos reserva, num futuro por inventar.

Beijinhos

Cerquito de Dornes disse...

Depois de uma referência lida sobre a areia, fui à procura de um certo pequeno texto (A Ideia de Europa, Steiner).
Por coincidência também fui ao café...
E, não por acaso, também de lá saí "envolto em azul de paz..."

Apesar das ironias do destino trazidas por deuses desleais...

veritas disse...

Todos nós procuramos a beleza, mas há alguns mais permeáveis a ela. da mesma forma que o conceito muda, relativizando-se de ser em ser...Eu também gosto de me iludir, o que seria a vida sem a ilusao qb?

Bjs. Bom fim-de-semana.

avelaneiraflorida disse...

Isabel,

JGF foi um poeta que aprendi a amar pela intensidade das imagens que ele sugere com as palavras...
Sempre que preciso,busco-lhe a companhia...

Bjks

avelaneiraflorida disse...

Amigo Mário,

Quem melhor do que um poeta para compreender as palavras de outro????

mas, nós , os simples mortais, atrevemo-nos a sonhar com as palavras que os poetas nos dão!!!!
Bjks

avelaneiraflorida disse...

Amigo Mário,

Quem melhor do que um poeta para compreender as palavras de outro????

mas, nós , os simples mortais, atrevemo-nos a sonhar com as palavras que os poetas nos dão!!!!
Bjks

avelaneiraflorida disse...

Cerquito de Dornes,

escreverei as palavras na areia...

avelaneiraflorida disse...

Veritas,

a ilusão serve-nos de momentâneo consolo nas horas dificeis...mas às vezes permitem-nos prolongar por mais um pouco alguns sonhos....
Prefiro-a nesta segunda vertente!!!!
Bjks

NETMITO disse...

Muito bonito esse poema mesmo.
BJS***
Bom fim de semana...*

Ema Pires disse...

Os rios que levam o nossos sonhos até ao mar.
Lindissimo.
Beijinhos

avelaneiraflorida disse...

netmito,

um rio, seja quando e onde for, será sempre a morada dos poetas!!!
Bjks

avelaneiraflorida disse...

Exactamente, querida EMA, que levam os nossos sonhos... e se o mar for complacente recebe-os, redobrando-lhes o azul!!!!!

Bjks!!!!!

papagueno disse...

Adoro este poema e foste buscar uma imagem magnífica para o ilustrar.
Beijinhos

avelaneiraflorida disse...

Papagueno,

um rio ...a água...não posso viver sem eles...nem que seja ao menos na poesia....
UM BOM FIM DE SEMANA, Para TI!!!!
Bjks