20080528

Tu és a terra...




Tu és a terra em que pouso:

Macia, suave, tenra, e dura o quanto baste

a que teus braços como tuas pernas

tenham de amor a força que me abraça.


És também pedra qual a terra às vezes

contra que nas arestas me lacero e firo,

mas de musgo coberta refrescando

as próprias chagas de existir contigo.


E sombra de árvores, e flores e frutos,

rendidos a meu gosto e meu sabor.

E que uma água cristalina e murmurante

que me segreda só de amor no mundo.


És a terra em que pouso. Não paisagem,

não Madre.Terra nem raptada ninfa

de bosques e montanhas.Terra humana

em que me pouso inteiro e para sempre.


Jorge de Sena
in Conheço o Sal...


Imagem © Noel Myles

10 comentários:

veritas disse...

Terra, mãe, germinação, fermentação, regeneração, palavras-chave na nossa vida.


Bjs. Boa semana.

Maria disse...

Lindo, Avelaneira...
Obrigada por esta magnífica partilha.

Beijo

avelaneiraflorida disse...

Querida Veritas,

e a terra é o nosso renascer!

Boa semana, também!!!

bjkas!

avelaneiraflorida disse...

Querida Maria,

Jorge de Sena ...é um prodígio de palavras!!!!
que seja uma Boa semana, também!!!
Bjkas!!

samuel disse...

Que grande escolha!
Jorge de Sena, foi para longe... ninguém mais quis saber...

Abreijo

Méon disse...

Sim, J de S é um prodígio de palavras... que nos deixa sem palavras!
Tão intenso, este poema que nos trouxeste...

Sophiamar disse...

Jorge de Sena é um mundo. Na prosa e na poesia. Excelente escolha!

Mil beijinhos

Desculpa a ausência.

avelaneiraflorida disse...

Amigo Samuel,

mas deixou-nos tantas palavras e sentires que são inmcrivelmente sentidos!!!!
Que o recordemos...

Breijkas!

avelaneiraflorida disse...

Méon,

o Sentir é uma forma de viver as palavras...

avelaneiraflorida disse...

Querida SOPHIAMAR,

Brigados pela presença!!!!
Que seja um dia cheio de luz!!!!
Gosto muito de te ver nesta Mesa de Amigos!!!!
Volta sempre!!!!
bjkas!!!