20080509

E tudo era possível


Na minha juventude antes de ter saído

da casa de meus pais disposto a viajar

eu conhecia já o rebentar do mar

das páginas dos livros que já tinha lido


Chegava o mês de maio era tudo florido

o rolo das manhãs punha-se a circular

e era só ouvir o sonhador falar

da vida como se ela houvesse acontecido


E tudo se passava numa outra vida

e havia para as coisas sempre uma saída

Quando foi isso? Eu próprio não o sei dizer


Só sei que tinha o poder duma criança

entre as coisas e mim havia vizinhança

e tudo era possível era só querer.


Ruy Belo
in Homem de Palavra(s)
Imagem (C) E. Munch

4 comentários:

Méon disse...

Sim, tudo era possível...
Só há uma solução: nunca esquecer a criança que fomos!

Dia feliz, Avelã!

Ema Pires disse...

Olá querida amiga,
Gostei imenso desta poesia. É verdade que, pelo menos eu, quando recordo a minha infância, parece que foi noutra vida. Os lugares mudam, as pessoas passam pelas nossas vidas e desaparecem. E nós dentro de uma roda que um dia se vai parar para sempre...
Beijinhos

avelaneiraflorida disse...

Méon,

e essa criança consegue reaparecer ...se o quisermos muito!!
Resto de Dia BOM!!!!

avelaneiraflorida disse...

Querida Ema,


Que bom voltar a ter a tua presença!!!!
Que tudo esteja a correr bem contigo!!!!!
Que sejam maravilhosos todos os dias!!!!

Bjkas!!