20080520

Sede


Suponho ponho

encaminho o espaço

no céu da tua boca

e teu palato


As palavras formadas

na saliva

quando bebo o vinho

em tua face


Faço o novelo

e desfaço a arte

teço com o grito da água

a tua sede


Seco com o linho do cabelo

e passo

ao lado mesmo do nó do teu abraço


Maria Teresa Horta
in Cem Poemas Portugueses no Feminino
Imagem (C) Oleg Zhivertin

6 comentários:

Ad astra disse...

abraço(te) matinal

sabe bem vir aqui


bejo amiga

avelaneiraflorida disse...

Querida AD ASTRA,

e que o dia seja feliz!!!!

bjkas!!

Méon disse...

A poesia é isto! Jogo de palavras e de sentidos!
De águas e sedes,
de sedas e mágoas,
de passos que passam
e nos enlaçam
de linhos,lãs, afagos,
fogos laços
de ternura

SILÊNCIO CULPADO disse...

Avelaneiraflorida

Maria Teresa Horta é Maria Teresa Horta. Uma referência para mim.

Gostei.

Abraço

avelaneiraflorida disse...

Méon,

e os jogos são laços feitos,refeitos,partilhados!!!!

avelaneiraflorida disse...

Querida Lídia/Silêncio,

sempre que a poesia se sente é porque o poeta nela deixou impressa a VIDA!!!!

bjkas!!!