20070929

Final de Setembro! Noite...



Pairas sempre entre a lua

e o Verde do teu nome,

se te vejo passar

sob as luzes do gás.


Amaste uma mulher,

uma deusa ou um mito?

Russa, nórdica ou cega,

estátua, cântico ou flor?


( És o outro Poeta

perdido no infinito

se te fito melhor)


O metal com que esfrias

o fogo àquele peito

não apaga a tormenta

dos naufrágios ao largo.



O absurdo sofrer

O Tejo a maresia

balouçam a cidade

no espaço onde o leio.



E, confundindo os dois

no aéreo sinal,

oirando capitéis,

esbeltíssimas pilastras



- fulva asa do céu
na noite matinal...



Natércia Freire, Poetas

8 comentários:

Jasmim disse...

Bonito poema
não conhecia
bom fim se semana e obrigada pela visita ao meu jasmim

avelaneiraflorida disse...

Jasmim,

Que bom esta presença, a minha mesa fica com um odor muito bom...a jasmim!!!!!
Um BOM DIA, TAMBÉM!!!!
BJKS!!!!

Ema Pires disse...

Lindo, lindo mesmo, sinto-o como aéreo. Nao me perguntes porquê.
Bjs

avelaneiraflorida disse...

Querida Ema,

Quem ama Lisboa como eu amo, porque lá nasci, sente estas palavras profundamente!!!!!
Não é por acaso que o escolhi!!!!
Mas ainda bem que gostas!!!!

Bjks

Ad astra disse...

Olha que bonito!
Mesmo a condizer com o dia!

Bem escolhido como sempre

Bj

Méon disse...

Finalmente tive o espaço para vir aqui. Sempre BOM!
Poema lindíssimo, de uma Natércia que estou também a descobrir.
Bjn

avelaneiraflorida disse...

Ad Astra, amiga

Há poetas que nos dão tanto nas suas palavras...que só apetece ficar aqui com eles, sempre!!!

Um Resto de BOM DOMINGO!!!!
BJks

avelaneiraflorida disse...

Méon,

O tempo está sempre a correr à nossa frente...

Natércia Freire é, de facto, uma DESCOBERTA!

UM BOM RESTO DE DOMINGO!