20070504

AS VACAS TRESMALHADAS


















As vacas tresmalhadas pelo asfalto

da cidade, fazem fugir quem passa.

Amarelo...Vermelho! Uma atravessa,

É apanhada, seco, dá um salto,


desentranha um mugido e, abatida,

põe nos olhos mansíssimos a vida.

Que pascigo escolheste, amável bicho?

se não fora o olhar, já eras lixo.



Vaca malhada tresmalhada, vaca

de leite em sangue, atormentado nó

pulsando no asfalto, agora saca

dos misérrimos bofes o seu muuuu



derradeiro. Já sem dor ou protesto,

é da cidade a vaca mais um resto.







Alexandre O' Neill, Poesias Completas

5 comentários:

papagueno disse...

Para ajudar a desembrulhar:
http://www.thethinkingblog.com/2007/02/thinking-blogger-awards_11.html

Depois da nomeação é só escolher 5 blogues que te façam pensar, que admires ou que simplesmente gostes de visitar.

avelaneiraflorida disse...

Honrada pela distinção!!!

Vou tentar desembrulhar-me!!!
"Brigados"

papagueno disse...

De nada, há pouco nem reparei, genial, este poema do O'Neill

Sam Well disse...

Que grande "vacada"!

Excelente a conjugação texto / bonecos. Só possível com investigação, relacionação, - CULTURA!

avelaneiraflorida disse...

Não, apenas "provocação"...