20070329

Há sempre um rio...


[...] O sol, muito alto ainda, iluminava de crepitações o vale que, selvático, se abria ante o seu olhar que pervagava abstracto, sem distinguir o mato que floria, as pedras que rebrilhavam pardas e cinzentas, os pequenos animais que esvoaçavam, corriam, rastejavam, ou se ficavam suspensos sem temor, fitando a mole imensa e caminhante de cavalo e cavaleiro. No fundo do vale, por entre os renques de choupos e salgueiros, entrecortados estava a chapa metálica e estreita de um rio[...]


in Jorge de Sena, O Físico Prodigioso

3 comentários:

Joaquim Moedas Duarte disse...

Miguel Torga:

« Rio feliz a ir de encontro ao mar / Desaguar, / E, em largo oceano, eternizar / O seu esplendor torrencial de rio.»

Nós amamos os rios porque temos a mesma natureza deles...

avelaneiraflorida disse...

o mesmo Torga também disse:

"Temos todos um rio na lembrança,
E alguns é um rio inteiro a sua vida"
in BIOGRAFIA

Sam Well disse...

Corramos, pois, até desaguar no oceano...