20070330

Gota de Água

"BRIGADOS...AMIGO"





Fui à fonte beber água

Achei um raminho verde

Quem o perdeu tinha amores

Quem o achou tinha sede


Dá-me uma gotinha de água

Dessa que eu oiço correr

Entre pedras e pedrinhas

Alguma gota há-de haver


Alguma gota há-de haver

Quero molhar a garganta

Quero cantar como a rola

Como a rola ninguém canta


A água da fonte corre

Limpa clara fresca e pura

Assim correm os meus olhos

Para a tua formosura





Terra de Abrigo(C) Ronda dos Quatro Caminhos

e Coros do Alentejo com a Orquestra Sinfónica de Córdoba

A. Prata; Cantadores de Aldeia Nova de S. Bento

2 comentários:

Sam Weell disse...

"A água da fonte corre

(...)

Assim correm os meus olhos..."

Só no "cante" alentejano encontramos esta poética da identificação total com a mãe- natureza.

Lindo, Avelã!

avelaneiraflorida disse...

Faz-me sempre lembrar a frescura das cantigas de amigo...

Mas, depois, há nelas uma outra força, que lhes vem da Terra, que as torna ùnicas...